Conheça o sistema cashless Lollapalooza 2018

2 anos
Eyemobile
Por Eyemobile

A exemplo do Lolapalloza de 2017, a edição deste ano também contou com o sistema cashless para trazer ainda mais segurança e tranquilidade aos participantes. Usando uma pulseira com tecnologia RFID, os participantes puderam incluir créditos antecipados e ainda acompanhar todas as transações feitas dentro do festival.

Quer saber mais? Continue a leitura!

Como funcionou o sistema cashless no Lolapalloza 2018?

Seguindo a tendência mundial do uso do sistema cashless em festivais de músicas, o Lollapalooza criou a sua própria pulseira RFID que deveria ser usada pelos participantes em todos os dias do evento, que aconteceu entre 23 e 25 de março em São Paulo.

A pulseira, além de servir como forma de pagamento, também era o próprio ingresso e contava com um mecanismo específico que impedia a retirada do braço do participante, aumentando ainda mais a segurança proporcionada por essa tecnologia.

Quem comprou online teve a opção de escolher entre receber a pulseira em casa ou retirá-la em um dos pontos físicos divulgados pela produção. E, após o recebimento da Lolla Cashless, o participante teve de se cadastrar em um link, para colocar seus dados pessoais e fazer a carga de créditos.

Lembrando que cada participante deveria cadastrar a sua própria pulseira com um cartão de crédito válido, para o qual os valores não usados poderiam ser transferidos após o término do festival, de forma automática.

Outra vantagem é que, pelo mesmo site, o participante poderia acompanhar todas as transações feitas, controlando melhor os seus gastos.

Como foram realizadas as transações dentro do festival?

Todas as transações dentro do festival, obrigatoriamente, foram feitas pelo sistema cashless, com o uso da pulseira devidamente cadastrada e já com os créditos incluídos. Ou seja, nenhum outro tipo de pagamento foi aceito, apenas o uso das pulseiras.

Para realizar qualquer compra, o procedimento era bem simples: bastava o participante aproximar a pulseira duas vezes do leitor e pronto. Os créditos eram automaticamente transferidos da pulseira para o comerciante ou ambulante, sem envolver o uso de nenhum cartão, senha ou outro inconveniente.

Mas, antes de se dirigir até o festival, os participantes tiveram de realizar a recarga da pulseira e também o registro dela, incluindo o código de segurança e o número da pulseira, um procedimento importante para dar ainda mais garantia a todas as transações comerciais.

Além disso, era por meio desse cadastro que as informações das vendas poderiam ser enviadas até o e-mail do participante, facilitando o seu controle.

Nos dias do evento também era possível encontrar totens específicos, nos quais os participantes poderiam recarregar as suas pulseiras com novos créditos, trazendo ainda mais agilidade a todo o procedimento.

Outra possibilidade era realizar novas recargas por meio do smartphone usando o cartão de crédito ou de débito cadastrados. Se o participante estivesse  sem saldo e tentasse realizar uma compra, a mesma não seria finalizada até que novos créditos fossem adicionados.

Nos casos de roubo ou extravio da pulseira, bastava o participante se dirigir até um dos pontos de atendimento e promover o bloqueio da conta. Outra possibilidade era a compra de uma nova pulseira durante o festival, transferindo os créditos para o novo equipamento.

Uma dúvida muito comum é em relação à segurança oferecida por essas pulseiras cashless. A organização do evento garante que a empresa responsável pela fabricação das pulseiras é idônea e certificada por uma instituição bancária. Além disso, todas as transações são criptografadas e os dados bancários e demais informações não são gravadas na sua pulseira.

Assim, caso ela tenha sido roubada, não existe como os ladrões terem acesso a sua conta e dados bancários. Mas, nessas situações, é sempre recomendado promover o bloqueio do sistema rapidamente.

Por que a organização do Lollapalooza resolveu investir no sistema cashless?

Esse foi o segundo ano que o Lollapalooza contou com o sistema cashless e os motivos são as inúmeras vantagens que essa forma de pagamento traz, como:

  • transações mais rápidas;
  • filas menores;
  • não existe a necessidade de troco;
  • menores riscos de perda ou furto de carteira e de dinheiro;
  • é mais conveniente já que a pulseira está sempre junto do participante;
  • oferece um controle melhor dos gastos e do orçamento, já que cada participante escolhe o tanto que deseja recarregar;
  • histórico de transações por e-mail;
  • é possível solicitar o reembolso após o término do festival e, nos casos de recarga de crédito online, o reembolso é automático.

Para os organizadores, o sistema cashless também possui vantagens, como:

  • maior controle das vendas realizadas dentro do festival;
  • facilidade na hora do fechamento do caixa;
  • dados confiáveis sobre as transações financeiras;
  • dados dos participantes para possíveis contatos posteriores;
  • melhora na experiência do participante que tenderá a marcar presença nas próximas edições.

Além disso, o organizador ainda pode utilizar tecnologias mais modernas, transformando as pulseiras em um verdadeiro item hi-tech, com possibilidade de integração às redes sociais dos participantes, permitindo postar fotos, guardar registros de contato de outras pessoas e até enviar e-mail ou uma mensagem via redes sociais.

Tudo isso ajuda a modificar a experiência do participante, transformando seu envolvimento com o evento em questão e fazendo com que o mesmo deseje participar das próximas edições.

Em quais outros eventos o sistema cashless tem sido usado?

Apesar de esse ser o segundo ano que o Lollapalooza faz uso do sistema cashless, ele não é uma característica exclusiva desse festival, já que outros também adotam a tecnologia visando dar mais segurança a todos os envolvidos, como o Rock in Rio, o João Rock, o Maximus Festival e o Tomorrow Land.

Em outros países, o sistema cashless é usado em vários setores, como nos eventos esportivos e até no dia a dia de vários comércios, justamente devido às facilidades que essa tecnologia traz além de oferecer muito mais segurança às transações comerciais, evitando roubos.

No Brasil, a expectativa do setor é que o sistema cashless passe a ser cada vez mais usado e incluído em festivais de música, feiras de negócio, eventos esportivos e muito mais.

E, então, gostou de saber mais sobre o sistema cashless e como ele foi usado no Lolapalloza deste ano? Se você ainda tem alguma dúvida, é só deixar um comentário pra gente!