Disney e a revolução no mercado de consumo através do RFID

3 anos
Eyemobile
Por Eyemobile

Viajar para a Disney é uma experiência mágica e única, capaz de encantar crianças e adultos. E, uma das formas de criar esse universo singular é através da tecnologia RFID, que permite proporcionar uma experiência totalmente única para quem visita o parque.

Quer saber como o maior parque de diversões do mundo tem usado o RFID para surpreender seus visitantes e criar uma experiência inesquecível? Continue a leitura!

O que é a tecnologia RFID?

A tecnologia RFID não é nova, mas somente há um tempo ela tem sido usada para melhorar a experiência de consumidores e de participantes de eventos.

Basicamente, o RFID funciona através da transmissão de informações via rádio, sendo que uma micro antena fica ligada a um microchip (em pulseiras ou outros sensores) e estes transmitem as informações até uma central próxima, que pode ser um telefone celular, por exemplo.

O RFID tem sido amplamente utilizado em diversos estabelecimentos, como festivais de música, arenas esportivas, parques de diversões e até mesmo para evitar roubos em lojas (aquelas etiquetas que apitam quando passamos pela porta).

E como isso tudo é possível? Graças à capacidade de personalização do RFID que permite utilizá-lo com inúmeras funções, como você verá na realidade da Disney.

Como a Disney tem usado a tecnologia RFID?

Muito mais do que um parque de diversões, a Disney se tornou também um parque tecnológico – tudo visando criar uma experiência única e mágica aos seus participantes.

Na Disney, a tecnologia RFID é usada de várias formas, desde a pulseira inteligente, até o controle de estoque das fantasias, melhorando a gestão e facilitando o dia a dia dos funcionários.

Vamos ver um pouquinho como cada um desses itens funciona?

MagicBand: a pulseira mágica da Disney

A princípio você pode pensar que a MagicBand funciona como as pulseiras tradicionais de festivais de música que temos visto com frequência em inúmeros eventos, porém ela possui muito mais funções.

Embora a ideia inicial seja semelhante, pode-se dizer que a Disney extrapolou as possibilidades dessa tecnologia, sempre visando criar um universo realmente mágico para todas as pessoas.

As pulseiras azuis, verdes, rosas, amarelas, laranjas e vermelhas, com o rosto do Mickey ficam conectadas a um sistema online, no qual o visitante deverá incluir seus dados.

A partir dessas informações, o parque começa a oferecer um serviço totalmente personalizado: os funcionários lhe atendem pelo seu nome, opções especiais de compra são mostradas a você baseadas no seu comportamento, atrações que talvez você goste são indicadas e inúmeras outras funções personalizadas.

Para isso, todo o parque conta com um sistema único, capaz de acompanhar todos os visitantes e de monitorar suas informações de consumo e de preferências.

Veja algumas funcionalidades da pulseira:

Ingresso e entrada ao parque

Já faz algum tempo que a Disney aboliu os tickets de papel, e desde então os visitantes só conseguem entrar nas dependências do parque com a MagicBand, assim como nas atrações.

O sistema da pulseira funciona vinculado aos ingressos que você adquire pela internet ou na bilheteria do parque e, com os dias de uso, eles vão sendo descontados.

Chave do quarto

Caso esteja hospedado em algum dos hotéis do complexo, quando você fizer o check-in cada pessoa hospedada receberá uma pulseira para que possam abrir as portas do quarto.

A tecnologia passou a ser adotada totalmente nos hotéis do parque desde janeiro de 2014, garantindo ainda mais segurança a quem está hospedado, já que só os donos da pulseira terão acesso ao seu quarto.

Fastpass+

Ninguém gosta de ficar em longas filas, não é mesmo? Percebendo a necessidade de melhorar essa experiência dos seus visitantes, a Disney lançou o Fastpass+ (também conhecido entre os brasileiros como o “fura fila”).

O sistema funciona de maneira semelhante ao dos ingressos, com as informações armazenadas na pulseira. Assim, quando você for entrar em alguma atração é possível encontrar um postinho com o desenho do Mickey.

Caso você tenha um Fastpass+ para aquele brinquedo naquele horário, o Mickey acenderá e o Cast Member liberará a sua entrada pela fila mais curta.

Compras Cashless

Como a maior parte das pulseiras RFID, a MagicBand também funciona para a compra cashless (sem dinheiro) nas lojas e restaurantes do complexo, vinculando à pulseira um cartão de crédito – assim todos os seus gastos serão debitados do cartão no fim da viagem.

Também existem outras formas possíveis de pagamento, como definir um valor máximo limite e as pessoas que estão autorizadas a gastá-lo.

Memory Maker

Para ter acesso a esse serviço é preciso comprar o pacote antecipadamente no My Disney Experience, e com ele você poderá ter acesso a todas as fotos que os inúmeros fotógrafos espalhados pelo parque tiram de você. É possível acessar a todas elas pelo site ou pelo aplicativo.

Outros usos do RFID na Disney

Se a MagicBand já é um enorme passo no sentido de usar a tecnologia a favor da melhor experiência dos visitantes, a Disney conseguiu ir além e expandir os usos do RFID para melhorar vários outros pontos do parque.

Com a tecnologia “Be My Guest”, por exemplo, todos os garçons e até as atrações conseguem encontrar os visitantes onde eles estiverem dentro do parque, graças a um sistema de triangulação que permite que os funcionários obtenham a sua localização exata.

Além disso, o RFID também é capaz de monitorar a quanto tempo as pessoas estão esperando nas filas – e se esse tempo for longo demais,   você pode ganhar um cupom para um sorvete grátis ou um ticket para outro passeio. Isso permitiu que a Disney passasse a transformar experiências negativas, em positivas.

E não é só. O RFID também tem sido usado para melhorar a gestão do parque. Um bom exemplo é o sistema de fantasias dos funcionários. Antigamente, um sistema de código de barras era usado, o que podia levar até 12 horas para que todas as fantasias fossem checadas e enviadas à lavanderia e dispor do serviço de 25 funcionários.

Com o RFID, é possível que o trabalho seja feito por apenas um ou dois funcionários e o tempo caiu para cerca de uma hora.

Embora a intenção fosse apenas melhorar a gestão do estoque, essa atitude se refletiu também na qualidade do serviço prestado, já que os funcionários passaram a ter uma experiência melhor com as suas fantasias e isso acabou se refletindo nas interações com o público.

Outro ponto de uso do RFID é dentro das lojas do parque que oferecem opções customizadas de entretenimento para os seus clientes, como vídeos e clipes de música, concursos de karaokê e até conversas com seus personagens favoritos.

Embora essa seja uma tecnologia única e super complexa, o exemplo da Disney nos mostra de que forma é possível usar o RFID para melhorar a experiência dos clientes, aumentando o encantamento e o envolvimento com as atrações.

Mesmo que muitas pessoas não deem tanta atenção à pulseira que carregam nos seus pulsos durante os passeios na Disney, você pode ter certeza que parte da experiência inesquecível que elas tiveram se deve a ela.

Gostou de saber mais sobre os usos do RFID na Disney? Já teve algumas ideias para aproveitar essa tecnologia nos seus eventos? Deixe um comentário pra gente!