Lei do silêncio saiba o que é mito e verdade

2 anos
Eyemobile
Por Eyemobile

Não tem nada pior para um produtor de eventos do que ver a sua produção sendo “barrada” pela Polícia Militar devido a contravenções em relação à lei do silêncio.

Para evitar problemas, é essencial compreender muito bem o que rege essa e outras legislações acerca do assunto, estando preparado legalmente para que seu evento seja um sucesso – e seus convidados possam aproveitar tudo o que você planejou.

Quer saber mais sobre o assunto? Continue a leitura!

Existe uma lei do silêncio que valha igualmente em todo o país

MITO. A Lei do Silêncio que tantas pessoas conhecem, na verdade, não está prevista no Código Civil brasileiro. O artigo mais próximo é o 1.277 que rege que os proprietários ou possuidores de imóveis têm o direito de fazer cessar as interferências que sejam prejudiciais à segurança, sossego e saúde dos que o habitam, provocadas pela utilização das propriedades vizinhas.

Outra lei que aborda o assunto é a Lei de Contravenção Penal (LCP), no seu artigo 42 que tipifica a contravenção de perturbar alguém, o trabalho ou o sossego alheio, com:

  • Algazarra e gritaria;
  • Exercendo profissão ruidosa ou incômoda e em desacordo com o previsto na legislação;
  • Com abuso dos instrumentos sonoros e sinais acústicos;
  • De modo a provocar ou não impedir o barulho produzido pelos animais que possui em sua guarda.

Apesar disso, muitos municípios possuem leis próprias que visam regular a interferência do bem estar. Na cidade de São Paulo, por exemplo, existe o Programa Silêncio Urbano (PSIU) que busca combater a poluição sonora no município, fiscalizando bares, boates, restaurantes, salões de festas, templos religiosos, indústrias, instituições de ensino, eventos e outros.

Para os que excederem a quantidade de decibéis permitida, é possível receber multas de R$ 10 a R$ 30 mil, dependendo da reincidência.

Barulho está liberado até às 22 horas

MITO. Muitas pessoas acreditam que a Lei do Silêncio somente passa a valer a partir das 22 horas – e por isso é permitido fazer algazarra até esse horário. Na verdade, mesmo durante o dia, os ruídos que ultrapassam um determinado número de decibéis (que pode variar de município para município) já podem estar sujeitos a penalidades.

Por isso, se você vai organizar um evento durante o dia, também deve ficar atento ao nível de ruído, à localização da locação (dando preferência a locais que estejam fora dos bairros estritamente residenciais ou com casas próximas) e também à acústica do espaço, que sempre deve conter itens para a vedação sonora (como paredes e janelas com materiais especiais).

Quem fiscaliza a lei do silêncio é a Polícia Militar

Parcialmente verdade. Na maioria das situações, as reclamações de abuso do barulho são recebidas pela Polícia Militar do Estado que também é responsável pelo cumprimento da lei estadual ou municipal, dependendo do caso.

Porém, como também existem leis e programas municipais que regem a questão do barulho, as reclamações também podem ser feitas à guarda municipal, que dependendo da cidade poderá participar das autuações.

Em ambos os casos, é dever da autoridade primeiramente orientar o “perturbador” para que ele cesse com o barulho. Caso isso não aconteça, poderão ser tomadas medidas mais rigorosas.

Em outros casos, é necessário que o reclamante preste sua queixa junto à Secretaria responsável pela fiscalização – que poderá variar de acordo com cada cidade.

Dentro da minha casa eu posso fazer o barulho que eu quiser

MITO. É claro que o direito à propriedade é inviolável, mas isso não significa que você possa perturbar os seus vizinhos, já que os direitos são coletivos.

Mesmo nas cidades em que não existe uma lei específica definindo a quantidade máxima de decibéis permitida, os artigos que citamos acima já são suficientes para enquadrar os “barulhentos” de plantão.

De acordo com o direito, o direito individual não pode prevalecer em relação ao sossego, à saúde, à segurança e ao patrimônio do vizinho.

Organizadores de eventos podem ser multados

VERDADE. Caso alguém denuncie o seu evento por estar perturbando a paz pública, você poderá ser enquadrado na lei municipal que rege o silêncio ou nos artigo do Código Civil e na Lei de Contravenção Penal.

Em alguns casos, a multa pode chegar a até R$ 30 mil e o evento pode ser finalizado antes do previsto, com intervenção da Polícia Militar e registro de Boletim de Ocorrência dos reclamantes – o que não é nada bom para a sua imagem de produtor de eventos, não é mesmo?

O carro de som também pode ser enquadrado na lei do silêncio

Parcialmente verdade. Além de considerar o controle do barulho durante o seu evento, você também deve ficar atento às formas de divulgação, isso porque alguns municípios e estados possuem leis próprias que regem o barulho do som dos carros.

Neste ano, no estado de São Paulo, o governador Geraldo Alckmin assinou um decreto que regulamenta a ação da Polícia Militar na restrição do som alto em carros estacionados na rua ou em áreas de estacionamento, como shoppings e postos de gasolina.

Quem for pego desrespeitando a lei pode ter o som e o carro apreendidos e ter de pagar multa de R$1mil que pode ser quadruplicada em caso de reincidência no período de 30 dias.

Ou seja, também é preciso atenção na hora de divulgar o seu evento, sempre conferindo as leis estaduais e municipais que tratam do assunto.

Como os eventos podem respeitar a lei do silêncio?

Depois de ler todos esses mitos e verdades parece difícil organizar um evento que consiga cumprir todas as exigências da lei? Embora seja preciso ficar atento a todas as regulamentações – que podem variar dependendo do estado e da cidade – é totalmente possível organizar um evento bacana e que não atrapalhe ninguém.

Na dúvida, o recomendado é sempre considerar o bom senso. Além disso, veja outras dicas importantes:

  • Evite fazer o seu evento em bairros estritamente residenciais ou em áreas totalmente abertas e com vizinhos próximos;
  • Sempre busque por locações que disponham de acústica ideal e de vedação de som em janelas e portas;
  • Não faça a divulgação com carro de som em bairros residenciais e confira a legislação municipal sobre o volume adequado e as regras para esse tipo de propaganda;
  • Sempre confira às leis que regulamentam a cidade e o estado da onde você está organizando o evento;
  • Na hora de planejar a disposição das bandas e DJs, confira se o espaço é ideal para conter o barulho produzido;
  • Caso, mesmo assim, ocorra alguma reclamação, respeite a ordem da Polícia Militar e tente diminuir os ruídos, evitando problemas futuros.

Gostou de saber sobre os mitos e verdades da lei do silêncio? Se você ainda tem alguma dúvida, deixe um comentário pra gente!