7 dicas para escolher a melhor maquininha de cartão

4 anos
Eyemobile
Por Eyemobile

Não dá para fugir, quem é lojista, comerciante ou possui algum tipo de empresa no Brasil sabe que a maioria dos clientes prefere realizar o pagamento por meio da maquininha de cartão.

Cada vez mais consagrado, esse aparelho é o favorito de 79% dos brasileiros, de acordo com uma pesquisa realizada em 2016 pela PricewaterhouseCoopers (PwC). Mas, apesar disso, nem sempre é fácil dispor de recursos financeiros para manter esses equipamentos.

Afinal, muitas empresas cobram mensalidades pelo uso da máquina, além de outras taxas sobre as vendas que precisam ser motivo de atenção por parte do empreendedor.

Se você está pensando em escolher uma maquininha de cartão para a sua empresa, confira as dicas essenciais antes de tomar a sua decisão.

1-      Entenda a sua necessidade

Embora a maquininha de cartão seja a favorita dos brasileiros, pode ser que para a sua realidade ela não seja tão importante. Antes de tomar uma decisão que possa impactar no seu financeiro é sempre fundamental analisar muito bem a sua realidade.

Pense em quantos dos seus clientes já perguntaram sobre a possibilidade de pagamento com cartão e também em qual a bandeira mais usada por eles. Hoje, no país, mais de 80% das transações são feitas com cartões de bandeira Visa e Mastercard.

Mas, talvez, essa não seja a realidade dentro do seu nicho de atuação. Por isso é importante entender quais são as bandeiras mais usadas pelos seus clientes. Se você é dono de uma lanchonete, por exemplo, aceitar cartões alimentação, como o Sodexo e outros, pode ser um atrativo interessante para a sua clientela.

2-      Compare os valores de mensalidade (e pense em soluções sem mensalidade)

Hoje é possível encontrar vários modelos e tipos de maquininhas de cartões, algumas trabalham com um valor fixo de mensalidade pelo uso do aparelho, mas não existe nenhum valor da compra da máquina, já outros dispensam a mensalidade, mas você terá de arcar com a compra do aparelho.

Qual é o melhor? Tudo dependerá da sua realidade. Para empresas menores, que realizam poucas transações por mês, pode ser mais interessante optar pelas maquininhas sem mensalidade. Isso porque, dentro de alguns meses, você ficará isento de um pagamento fixo – já que o aparelho será seu.

Para estabelecimentos maiores, como os supermercados, por exemplo, vale à pena investir em maquininhas com mensalidade, já que o poder de negociação é maior e você poderá até mesmo conseguir isenções interessantes caso todos os aparelhos sejam da mesma empresa.

3-      Analise a tecnologia e a forma de conexão

Como dissemos, existem muitos tipos de maquininhas disponíveis no mercado e antes de fechar negócio com alguma marca é essencial garantir que o aparelho escolhido funcionará no seu comércio.

Por isso, converse sobre as formas de conexão e a tecnologia presente. Muitas máquinas que cobram mensalidade trabalham ligadas na linha telefônica e precisam de uma conexão com a internet para funcionar.

Os modelos móveis usam conexão Wi-Fi ou 3G/4G. Isso significa que se o sinal de internet móvel for ruim na sua região, as máquinas não irão funcionar e você não terá como realizar as transações.

Além disso, a tecnologia também poderá ser diferente. Muitas das maquininhas de cartões sem mensalidade costumam funcionar com o leitor de cartões acoplado a um celular e usando a internet do mesmo.

Esse modelo é bem prático, funcionando através de um aplicativo que realiza as operações e envia os dados da compra para o e-mail do cliente (algumas ainda podem imprimir o comprovante ou enviá-lo via SMS). Porém, é preciso conferir se o seu aparelho de celular é compatível com a máquina.

4-      Pense nas taxas sobre as operações

Outro dado muito importante e que você deve ficar atento é em relação à taxa sobre as operações, que variam muito de empresa para empresa.

Em geral, as máquinas mais tradicionais (que cobram mensalidade) possuem taxas menores do que as máquinas sem mensalidade, mas isso não é uma regra.

Normalmente, as máquinas tradicionais cobram em torno de 2% para o débito e 2,5% para o crédito, enquanto as máquinas sem mensalidade podem cobrar entre 2,39% a 3,19% no débito e 3,19% a 4,99% no crédito.

Mas, atenção porque as taxas ainda podem variar no caso de vendas parceladas e também dependendo da bandeira do cartão. Por isso, sempre tente negociar a possibilidade de trabalhar com taxas mais reduzidas. Afinal, quanto mais transações você fizer em um mês, maior será o impacto dessas taxas no seu caixa.

5-      Informe-se sobre os prazos e condições de recebimento

Muitas pessoas não sabem, mas o recebimento do que foi vendido no cartão de débito ou de crédito não é imediato e pode demorar de 2 a 5 dias nas compras a vista e no débito, por exemplo.

Já as compras no crédito poderão ser recebidas apenas no próximo mês, enquanto os parcelamentos serão recebidos mensalmente de acordo com o número de parcelas.

Assim é muito importante conferir antecipadamente esse prazo, de forma que você consiga planejar o seu financeiro adequadamente. Algumas empresas oferecem a possibilidade de você antecipar os recebíveis, tanto para os pagamentos no crédito, como para o parcelamento.

Embora essa pareça uma solução interessante, é sempre importante pensar com cuidado, pois as taxas nessas situações podem ser bastante altas e reduzir significativamente o valor que você tem para receber.

6-      Avalie a possibilidade de conciliação com outros sistemas

Algumas maquininhas de cartões têm a possibilidade de conciliar os dados de vendas com os sistemas de gestão e de frente de caixa, facilitando a vida do empresário.

Isso significa muito mais facilidade, por exemplo, na hora de analisar se os depósitos feitos pela empresa da máquina de cartão estão de acordo com as suas vendas.

Caso não exista essa possibilidade de integração, você terá de fazer essa conferência semanalmente de forma manual, analisando o extrato das vendas que você realizou e a movimentação da sua conta bancária – algo que pode tomar bastante tempo de quem tem um número alto de vendas.

7-      Analise as bandeiras e os serviços extras

Por último, não se esqueça de avaliar quais as bandeiras são aceitas pela maquininha de cartão e comparar com a realidade do seu negócio. Novamente, embora Visa e Mastercard sejam líderes de mercado, é importante que você ofereça uma máquina que aceite as bandeiras que seus clientes mais usam.

E não se esqueça de pensar nos serviços extras que a maquininha oferece, já que muitas permitem realizar recargas de créditos para celulares, consulta de cheques no SPC, materiais de divulgação para o frente de caixa, bobina automática, entre outros.

Além disso, algumas maquininhas ainda oferecem outros tipos de atrativos, que mesclam condições comerciais diferenciadas e tecnologia de ponta, como:

  • sistema integrado de cadastro de produtos, estoque e gerenciamento, que facilita a vida do gestor por já contar com todas as informações em um só lugar;
  • facilidade para a realização de estornos, que podem ser operados diretamente no menu de navegação;
  • isenção de custos de locação, oferecendo mais vantagens comerciais;
  • possibilidade de integração com o celular, melhorando a acessibilidade e a troca de informações via sistemas mobile.

Antes de optar pela maquininha de cartão é importante analisar a sua necessidade e todos os benefícios que as empresas oferecem, além, claro, dos avanços tecnológicos e da possibilidade de integração com os seus sistemas de gerenciamento ou de frente de caixa, tornando suas ações mais rápidas e simples.

Com essas dicas, ficou mais fácil escolher a maquininha de cartão para a sua empresa? Ainda tem dúvida sobre esse assunto? Deixe um comentário pra gente!